Fazia um tempo que eu estava querendo ler esse livro, então comprei junto com alguns outros que eu queria ler, terminada a leitura decidi fazer uma resenha para vocês terem uma noção do que o livro trata.

Sinopse: Desde 2005, três amigos se revezam nos comentários sobre os mais diversos assuntos que se referem à vida da igreja e à sociedade. Em comum, a pena afiada, a identidade reformada e o zelo pela fé cristã. O palco escolhido por Augustus Nicodemos, Mauro Meister e Solano Portela é o blog O tempora, O mores (Que tempos os nossos! E que costumes), referência à célebre frase de Cícero (106-43 a.C).
Dentre as centenas de textos postados por eles. Augustus Nicodemos selecionou alguns dos seus para se projetarem além da blogosfera, e assim oferecer suas percepções sobre a igreja evangélica e sobre o que entende ser a ascensão e queda do movimento evangélico brasileiro.
Liberais, neo-ortodoxos, libertinos e neopentecostais não escapam da escrita certeira de Augustus, cujo objetivo com a publicação de O que estão fazendo com a Igreja vai muito além da simples ( e saudável) polêmica. Seu desejo é fortalecer os que insistem em seguir a fé bíblica conforme entendida pelo cristianismo histórico. Sem esquecer as mazelas de conservadores, fundamentalistas e neopuritanos. Augustus traça um panorama do complexo cenário evangélico com a firmeza que lhe é peculiar.

Resenha: Augustus Nicodemus no livro O que estão fazendo com a Igreja, crítica de maneira formal e acadêmica a queda da Igreja Evangélica brasileira nesses últimos dias, através do que ele chama de "evangelicalismo" os que participam da Igreja estão cada vez mais liberais e dotados de práticas que trouxeram do catolicismo, como a aceitação de bispos e apóstolos, uma prática católica vinda da influência romanista. Junto com o crescente número de convertidos ao cristianismo, cada vez mais pessoas estão se distanciando da Bíblia e vivendo uma vida mais liberal do que está escrito na Bíblia. O autor também cita várias correntes que surgiram e existem no meio das Igrejas em geral, os neopentecostais, libertinos, fundamentalistas e neo-ortodoxos. Os neopentecostais seriam os que usam a Bíblia para benefício próprio, concordando com o que a Bíblia condena, assim de forma parecida pensam os liberais, Augustus critica ainda como as Igrejas brasileiras tem sido comandadas por um objetivo diferente do que a Bíblia ensina, líderes que tem deixado de lado as verdades da Bíblia e tem sido mais liberais em temas como aborto, homossexualismo,  santidade. Existem dois métodos de interpretação da Bíblia, existe o método histótico-crítico que parte do pressuposto racionalista e existencialista que sujaze ao iluminismo e existe o método gramático-histórico que seguem pressupostos para com as escrituras, no todo ou em parte, que estão ligados ao cristianismo histórico e à Reforma protestante.

Minha Opinião: Em todo livro encontramos termos e assuntos que são estudados em seminários teológicos, com uma linguagem formal, o livro é um manual para quem deseja entender mais sobre teologia e as várias vertentes de Igrejas que surgiram nos últimos dias, Augustus Nicodemus possui uma bagagem enorme de conhecimentos e nesse livro nos alerta para o que a Igreja está se tornando com o liberalismo, evangelicalismo crescente que tem surgido.



Um Comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

16/07/2015

Resenha: O que estão fazendo com a Igreja



Fazia um tempo que eu estava querendo ler esse livro, então comprei junto com alguns outros que eu queria ler, terminada a leitura decidi fazer uma resenha para vocês terem uma noção do que o livro trata.

Sinopse: Desde 2005, três amigos se revezam nos comentários sobre os mais diversos assuntos que se referem à vida da igreja e à sociedade. Em comum, a pena afiada, a identidade reformada e o zelo pela fé cristã. O palco escolhido por Augustus Nicodemos, Mauro Meister e Solano Portela é o blog O tempora, O mores (Que tempos os nossos! E que costumes), referência à célebre frase de Cícero (106-43 a.C).
Dentre as centenas de textos postados por eles. Augustus Nicodemos selecionou alguns dos seus para se projetarem além da blogosfera, e assim oferecer suas percepções sobre a igreja evangélica e sobre o que entende ser a ascensão e queda do movimento evangélico brasileiro.
Liberais, neo-ortodoxos, libertinos e neopentecostais não escapam da escrita certeira de Augustus, cujo objetivo com a publicação de O que estão fazendo com a Igreja vai muito além da simples ( e saudável) polêmica. Seu desejo é fortalecer os que insistem em seguir a fé bíblica conforme entendida pelo cristianismo histórico. Sem esquecer as mazelas de conservadores, fundamentalistas e neopuritanos. Augustus traça um panorama do complexo cenário evangélico com a firmeza que lhe é peculiar.

Resenha: Augustus Nicodemus no livro O que estão fazendo com a Igreja, crítica de maneira formal e acadêmica a queda da Igreja Evangélica brasileira nesses últimos dias, através do que ele chama de "evangelicalismo" os que participam da Igreja estão cada vez mais liberais e dotados de práticas que trouxeram do catolicismo, como a aceitação de bispos e apóstolos, uma prática católica vinda da influência romanista. Junto com o crescente número de convertidos ao cristianismo, cada vez mais pessoas estão se distanciando da Bíblia e vivendo uma vida mais liberal do que está escrito na Bíblia. O autor também cita várias correntes que surgiram e existem no meio das Igrejas em geral, os neopentecostais, libertinos, fundamentalistas e neo-ortodoxos. Os neopentecostais seriam os que usam a Bíblia para benefício próprio, concordando com o que a Bíblia condena, assim de forma parecida pensam os liberais, Augustus critica ainda como as Igrejas brasileiras tem sido comandadas por um objetivo diferente do que a Bíblia ensina, líderes que tem deixado de lado as verdades da Bíblia e tem sido mais liberais em temas como aborto, homossexualismo,  santidade. Existem dois métodos de interpretação da Bíblia, existe o método histótico-crítico que parte do pressuposto racionalista e existencialista que sujaze ao iluminismo e existe o método gramático-histórico que seguem pressupostos para com as escrituras, no todo ou em parte, que estão ligados ao cristianismo histórico e à Reforma protestante.

Minha Opinião: Em todo livro encontramos termos e assuntos que são estudados em seminários teológicos, com uma linguagem formal, o livro é um manual para quem deseja entender mais sobre teologia e as várias vertentes de Igrejas que surgiram nos últimos dias, Augustus Nicodemus possui uma bagagem enorme de conhecimentos e nesse livro nos alerta para o que a Igreja está se tornando com o liberalismo, evangelicalismo crescente que tem surgido.


Um comentário: